Adotou um filhote? Conheça as vacinas que cães e gatos precisam tomar

#AgitoPet

 

A prevenção de doenças é essencial para o animal de estimação crescer forte e saudável

 

Seguir um calendário vacinal completo e efetivo é fundamental para garantir a saúde e a longevidade do seu animal de estimação, além de impedir a disseminação de doenças como a raiva, a leptospirose ou a giardíase em seres humanos. Vaciná-los preventivamente também evita doenças que podem deixar sequelas nos animais como, por exemplo, a leucemia felina.

 

Há três tipos de classificação de vacinas: essenciais, complementares (ou não essenciais) e não recomendadas (Tabela 1). “As essenciais devem ser aplicadas em todos os cães e gatos, indiferentemente de raça, tamanho ou idade, pois são vacinas que, em geral, previnem doenças fatais, de grande incidência ou com potencial de passarem aos seres humanos (zoonoses)”, explica o médico veterinário e Gerente Técnico e de Pesquisa Aplicada para Animais de Companhia da Zoetis, Alexandre Merlo.

 

“As vacinas complementares são indicadas de acordo com a avaliação comportamental do animal, região em que vive e outros fatores, seguindo os critérios do médico veterinário. Já as não recomendadas são, principalmente, aquelas que apresentam poucos estudos clínicos sobre sua eficácia ou que protegem contra doenças pouco relevantes”, complementa.

 

Alexandre lembra que, na composição de um produto, podem existir componentes vacinais essenciais e não essenciais, por isso é importante consultar sempre o médico veterinário.

 

 
   

 

 

 

 

 

 

Quando vacinar?

 

Cães e gatos devem ser vacinados nas primeiras seis a oito semanas de vida. As vacinas são repetidas a cada três a quatro semanas, até que o animal tenha 16 semanas ou um pouco mais.  É muito importante respeitar as recomendações da bula das vacinas na hora de adotar um protocolo vacinal, o qual pode ser individualizado pelo médico veterinário.

 

Uma parte integrante da vacinação dos filhotes de cães e gatos é a vacina de “reforço”, que é tradicionalmente aplicada aos 12 meses de idade ou 12 meses após a última vacina da série primária. O principal objetivo é assegurar a proteção imunológica do animal.

 

“A vacinação em filhotes é de suma importância para que cresçam saudáveis e evitem certas doenças na fase adulta. A vacinação deve ter reforço anual e ser sempre orientada pelo médico veterinário. A prevenção é um dos principais caminhos para o bem-estar do animal”, salienta Alexandre Merlo.

 

Confira algumas doenças que acometem cães e gatos e saiba como preveni-las:

 

 

 

 

Proteção Garantida

 

Para oferecer maior tranquilidade aos médicos veterinários, a Zoetis possui o programa Proteção Garantida. De acordo com o programa, caso um animal tenha sido vacinado contra determinada doença, utilizando os produtos da empresa, e posteriormente for diagnosticado com a mesma doença, a Zoetis dará o suporte necessário para ao médico veterinário responsável pelo animal, a realização dos exames laboratoriais e despesas relacionadas ao tratamento (internações e medicações) nos casos devidamente comprovados e de acordo com o regulamento do programa*.

 

Conforme conta Fabiana Avelar, Gerente de Produto de Animais de Companhia da Zoetis, o programa Proteção Garantida é mais uma forma da Zoetis apoiar os veterinários, trazendo mais segurança e confiança na hora da vacinação. “Com esse programa, nosso objetivo é oferecer vacinas de qualidade e também tranquilidade ao profissional veterinário em relação aos animais de estimação sob os seus cuidados, os quais sabemos que são considerados membros de tantas famílias. Além disto, o programa promove o diálogo com o proprietário e a conscientização da vacinação para prevenir importantes doenças, muitas delas zoonoses que podem contagiar as pessoas,  garantindo longevidade e bem estar aos animais.”

 

*Todas as informações se encontram no regulamento do programa. O programa é destinado única e exclusivamente aos médicos veterinários.

Deixe uma resposta