Causas da Torção Gástrica em Cães

#AgitoPet

TORÇÃO GÁSTRICA EM CÃES: SINTOMAS, CAUSAS E TRATAMENTO

Com causas primárias ainda desconhecidas, a torção gástrica é um problema sério que atinge, principalmente, os cães de grande porte, podendo, ainda, acometer cachorros pequenos em casos muito raros. Tendo a alimentação feita de maneira errada e exagerada como principal desencadeador, a torção gástrica canina é fatal em cerca de 60% dos casos tratados tardiamente, o que pode levar o animal ao óbito dentro de poucas horas (6 a 12 horas).

“Pode ser ocasionado pela excessiva ingestão de alimentos ou água, fazendo com que o estômago dilate e gire sobre o seu eixo, especialmente em cães que ficam muito agitados após se alimentarem”, explica o médico veterinário da Max (Total Alimentos), Marcello Machado.

A doença ocorre por meio da dilatação do estômago, seguida da torção desse órgão sobre si mesmo, levando à intensificação da fermentação e aprisionamento de gás e alimento em seu interior.

“Quando o proprietário perceber algum desses sintomas, deve procurar ajuda profissional imediatamente”, orienta Marcello.

PRINCIPAIS SINTOMAS

  • Inquietação;
  • Náuseas;
  • Ânsia de vômito não produtiva;
  • Angustia respiratória;
  • Extrema sensibilidade na região abdominal;
  • Palidez da gengiva;
  • Aumento de volume crescente do abdômen, decorrente da fermentação do alimento e formação de gases;
  • Sialorreia (saliva que flui para fora da boca).

TRATAMENTO

É realizado pelo médico veterinário, que irá introduzir uma sonda através da boca do animal até o estômago, se a sonda não chegar até o estômago, será confirmado o diagnóstico da doença.

O tratamento inicial consiste na descompressão do estômago através de intubação ou agulha, além de monitoramento do paciente até a estabilização completa.

A cirurgia de fixação do estômago na parede abdominal (gastropexia), é desejável para reposicionar o órgão em sua posição anatômica normal, prevenindo recidivas.

PREVENÇÃO

  • Fracionar a qualidade de alimento
  • Oferecer um alimento rico em fibras
  • Evitar rações com elevadas taxas de fermentação.
  • Não permitir que o cão ingira muita água de uma vez, inclusive durantes as refeições, e exercícios (como pular e correr), após consumir o alimento

Deixe uma resposta