Dirofilariose – a doença do verme do coração

#AgitoPet

Com maior incidência em áreas litorâneas e com alta concentração de mosquitos, problema pode levar o cão à morte

Nesta época do ano, em que as temperaturas começam a subir, é muito comum que surjam campanhas contra o mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya, com recomendações de como evitá-lo. Mas, você sabia que o Aedes Egypti e outros mosquitos também podem ser transmissores de uma doença que acomete seu cão?

Conhecida como doença do verme do coração, a Dirofilariose canina é causada por um parasita e tem como transmissor alguns mosquitos. “O mosquito infecta o animal com as larvas enquanto se alimenta do seu sangue. Uma vez no organismo, essas larvas migram pelos tecidos do corpo do animal em direção ao coração e aos vasos sanguíneos do pulmão, onde os vermes se tornam adultos”, explica o médico-veterinário Alexandre Merlo, Gerente Técnico de Animais de Companhia da Zoetis.

De acordo com o especialista, o agravante da doença é que, em seu estágio inicial, o cão não apresenta sintomas, o que dificulta o diagnóstico. “Tosse, emagrecimento, dificuldade para respirar e fadiga são algumas das manifestações que podem surgir após alguns meses de infecção”, completa Merlo. “O maior problema causado pela Dirofilariose é a insuficiência cardíaca, que pode levar o cão à morte”.

Se você mora na praia, costuma levar seu cão ao litoral, ou ainda mora em áreas com incidência alta de mosquitos, a maneira mais rápida e eficaz de protegê-lo é fazendo a prevenção. “Importante ressaltar que ainda que áreas litorâneas apresentem condições mais favoráveis ao desenvolvimento de mosquitos, a infecção também é detectada em outras regiões do País mesmo em estados distantes do litoral, por isso é importante a prevenção da dirofilariose em todos os cães. Além disso, a prevenção é uma importante medida para conter a doença e impedir que ela se alastre ainda mais e atinja lugares livres deste mal”, alerta Merlo.

Deixe uma resposta