Expectativa de vida do gato pode dobrar após a castração

#AgitoPet

Os brasileiros estão cada vez mais gateiros: já são mais de 22 milhões de gatos no país, e a expectativa é ultrapassar 30 milhões até 2022, segundo dados do IBGE. Além de serem animais inteligentes e amorosos, o aumento da população de felinos aconteceu também devido à mudança no estilo de vida das pessoas: independência e fácil adaptação a ambientes pequenos são alguns dos fatores que têm levado o brasileiro a se interessar e optar cada vez mais pelos bichanos.

Mas, antes de se ter um gatinho, é preciso entender o conceito de guarda responsável para garantir os cuidados básicos à saúde e bem-estar do companheiro de 4 patas. Entre os principais, têm destaque a necessidade de visitas regulares ao Médico-Veterinário, a vacinação, a nutrição adequada e a castração, que contribui não apenas para a saúde do animal, mas também para o controle populacional da espécie, evitando uma prenhez não planejada pelo tutor e um possível abandono dos filhotes.

Por se tratar de uma cirurgia, é comum tutores de primeira viagem terem muitas dúvidas sobre o processo de castração. Maicon Santini, jornalista, apresentador e influenciador digital, é tutor de primeira viagem de uma gatinha chamada Rihanna. Com experiências anteriores apenas com cães, passou a aprender sobre o mundo dos felinos recentemente. “Depois que passei a morar sozinho, fiz muitos amigos que eram tutores de gatos. Isso despertou o meu interesse pela espécie e fui ficando cada vez mais apaixonado”, conta. No Natal de 2019, surgiu a oportunidade de adotar a Rihanna. “A chegada de um pet muda a nossa vida. Eu jamais imaginaria esta pandemia, mas é muito bom tê-la comigo. Fui em busca de informações com um Médico-Veterinário e realizei todas as adaptações necessárias para oferecer qualidade de vida a ela”.

Uma das principais dúvidas do Maicon foi sobre o cio e castração da Rihanna. “Ela teve o primeiro cio aos 7 meses e tudo para mim foi novo. Contei com ajuda profissional para entender esta nova etapa da vida dela e cheguei à conclusão que o melhor a fazer seria castrar para que ela tenha mais saúde, bem-estar e longevidade. Sempre ouvi dizer que o gato depois de castrado pode acabar engordando, mas também descobri que com uma nutrição adequada isso deixa de ser um problema”, conta o influenciador que já está com o procedimento agendado.

Para esclarecer a dúvida de muitos tutores sobre o assunto, a Dra. Natália Lopes, Médica-Veterinária e Gerente de Comunicação Científica da Royal Canin Brasil, organizou um compilado de informações sobre o tema.

OS BENEFÍCIOS DA CASTRAÇÃO

O procedimento cirúrgico é simples. Consiste na remoção dos órgãos sexuais responsáveis pela reprodução do animal, ou seja, dos testículos, para os machos, e dos ovários e útero para as fêmeas. Após a avaliação do Médico-Veterinário e com a carteira de vacinação em dia, o procedimento é realizado com o animal em jejum e com aplicação de anestésico para um procedimento indolor. Ele costuma ser feito a partir dos 6 meses de vida, e cada clínico pode adotar um protocolo específico, podendo ser realizado também no animal adulto.

Um dos benefícios da castração é a redução das “fugas”. Alguns estudos apontam que pode haver uma redução em até 94%, o que impacta indiretamente a expectativa de vida dos gatos, que pode passar ao dobro do que a de um gato que não passou pelo procedimento, já que ele se torna menos suscetível a doenças infecciosas contraídas na rua, a acidentes, traumatismos, intoxicações e maus tratos. Além disso, evita ainda a reprodução indesejada, o abandono de animais e as doenças do sistema reprodutivo – especialmente nas fêmeas, em que reduz o risco de tumor de mama e de doenças uterinas.

ALTERAÇÕES HORMONAIS

As alterações hormonais causadas pela castração demandam certas adaptações e a alimentação de qualidade e adequada às necessidades do felino castrado se torna essencial.

Logo após a cirurgia, o gato castrado tende a aumentar o consumo espontâneo de alimento. Em gramas, um macho castrado tende a comer 26% a mais, e a fêmea castrada 18% a mais, se mantido alimento em quantidade à vontade.

Estudos mostram que para gatos, já nos 3 primeiros meses pós castração pode-se tornar evidente o ganho de peso. O risco do sobrepeso e obesidade aumentam em até 3 vezes, decorrentes do fato do gato castrado ficar menos ativo e, consequentemente, gastar menos energia. Se ele continuar ingerindo o mesmo alimento de antes, na mesma quantidade, pode ocorrer um desbalanço energético para mais, e o acúmulo de gordura.

Os benefícios da castração são mais vantajosos do que os pontos de atenção. Com a adequação da rotina, especialmente a adoção de uma nutrição desenvolvida especialmente para os gatinhos castrados, que reduz calorias enquanto mantém a saciedade com proteína de qualidade e fibras, o gato levará uma vida normal e saudável.

A ROYAL CANIN®, marca que oferece saúde através da nutrição para os gatos e cães, possui o mais completo programa de alimentação para os gatos castrados. Os alimentos atendem as necessidades desde o filhote castrado, que demanda um cuidado que suporte seu crescimento enquanto controla o excesso calórico, até a fase adulta e senil, pois, como esses animais tendem a viver mais, precisarão de uma nutrição que também suporte os sinais do envelhecimento. A linha Castrados é composta por alimentos nas versões Filhotes Castrados, Castrados, Castrados 7+ e Idosos Castrados 12+, além da versão úmida para oferecer uma experiência alimentar ainda mais completa.

Deixe uma resposta