Seu cão está protegido contra a giardíase?

#AgitoPet

Patologia que afeta o intestino dos cães pode ser evitada com medidas de prevenção e uso de vermífugos

A giardíase é uma das principais infecções intestinais que afetam os cães.  Considerada uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida dos animais aos seres humanos, a patologia é  causada pelo protozoário Giárdia lamblia.

Os cães podem se infectar ao ingerir água ou alimentos contaminados por cistos do parasito, e mesmo os animais vacinados podem ser infectados.

“O primeiro passo para proteger os cães da giardíase é compreender como funciona o ciclo de contaminação pelo parasito. O pet ingere alimento ou água contaminados pela Giárdia lamblia, que se aloja no intestino do animal e se multiplica, formando pequenos cistos que são expelidos junto às fezes do animal. É nesse momento que o ambiente e a água são contaminados pelo protozoário. Como a Giárdia é extremamente resistente e pode sobreviver por longos períodos longe de um hospedeiro, o local se torna um foco de infecção e outros cães ficam sujeitos à contaminação ao entrar em contato com aquele ambiente”, explica a médica-veterinária e gerente de produtos da Unidade de Pets da Ceva Saúde Animal, Fernanda Ambrosino.

Depois de ser ingerida pelo cão, a giárdia causa uma série de desconfortos para os pets. Os animais infectados apresentam sintomas clássicos, como  diarreia, náusea, vômito, perda ou diminuição de apetite, apatia, dores abdominais, entre outros.

“É importante ressaltar que em alguns casos, o animal pode ter sinais leves ou desenvolver uma infecção assintomática, ou seja, estar contaminado, mas não apresentar nenhuma manifestação. Porém, a giardíase lesiona as células da parede intestinal dos cães e em casos graves pode levar o animal à morte por debilitar intensamente o organismo do pet. Por isso, os tutores precisam ficar atentos a qualquer mudança apresentada pelo pet e consultar o médico-veterinário caso suspeitem que o cão possa ter se contaminado”, detalha Fernanda.

diagnóstico da giardíase engloba a análise dos sintomas e a realização de exames de sangue e fezes para que seja possível identificar a presença do parasita. O tratamento irá depender dos sintomas e da gravidade do quadro apresentado pelo pet, sendo necessário o uso de medicamentos específicos e, em alguns casos, de uma dieta especial. Nas manifestações graves, com desidratação e diarreia, a hospitalização pode ser necessária.

Mas, como manter os pets protegidos contra a doença? A prevenção é a melhor estratégia para evitar que os animais sejam contaminados, visto que a giárdia tem grande capacidade de sobrevivência no ambiente. Por isso, os tutores devem investir em medidas simples, como manter os animais longe de áreas que possam apresentar risco de infecção, redobrar os cuidados com a higienização do local onde o pet fica e principalmente manter a vermifugação do cão em dia.

“O uso periódico de vermífugos é, sem dúvidas, a melhor maneira de manter os animais protegidos contra a ação da giárdia. É fundamental que os tutores sigam corretamente o cronograma de vermifugação estipulado pelo médico-veterinário, dessa forma os cães estarão sempre protegidos contra a ação dos parasitos” conta Fernanda.

Sempre em busca de soluções que auxiliem na manutenção da saúde e do bem-estar dos pets, a Ceva Saúde Animal conta em seu portfólio com dois produtos que auxiliam na proteção dos cães contra a giardíase:  Canex Premium e Canex Plus 3, vermífugos altamente palatáveis, que agem contra vermes adultos ou em fase de larva, protegendo os pets contra a giárdia.

Deixe uma resposta