Calor e chuva ampliam riscos de “verme do coração” nos cães

#AgitoPet

A chegada do verão e das constantes chuvas torrenciais nesta época do ano liga o alerta para tutores de cães sobre alguns perigos que circundam o ambiente de seus pets. É necessário ficar atento pois a saúde desses verdadeiros companheiros pode correr sérios riscos. 

Popularmente conhecido como “verme do coração”, tecnicamente chamado de Dirofilaria immitis, a dirofilariose é uma verminose que pode causar até a morte do animal. Entretanto, a prevenção e o combate podem ser realizados de maneira bastante simples. 

A contaminação ocorre quando um mosquito infectado pela doença – da família dos culicídeos, onde está incluso também o Aedes aegypti – pica o cachorro e injeta larvas do parasita na corrente sanguínea do animal. Essas larvas se desenvolvem na corrente sanguínea do animal, até chegarem ao coração e pulmões. 

Esses mosquitos se reproduzem em água parada, por esse motivo, ambientes como litoral e com grande concentração de água parada, aumentam os riscos de contaminação pela dirofilariose. Principalmente no fim ano, época em que milhares de famílias viajam com seus pets para regiões litorâneas de todo Brasil. 

O gerente de Marketing de Saúde Pet da Elanco para o Brasil e Cone Sul, Cristiano Anjo, lembra que os tutores precisam se prevenir ao chegar em ambientes desse tipo. Para ele, evitar o acúmulo de água parada é uma importante medida que ajuda no controle para que não se formem criadouros de mosquitos. 

PREVENÇÃO 
Cristiano Anjo explica também que a prevenção contra o “verme do coração” se faz regularmente com uso de vermífugos de amplo espectro que, além de agir contra infestações de vermes intestinais, também atuam na prevenção contra a dirofilariose. 

“É sempre importante manter os cães protegidos de parasitas o ano todo e é fundamental conversar com o médico veterinário sobre os produtos a serem administrados aos pets. A dirofilariose, conhecida como “verme do coração”, é uma doença séria e, dependendo do estágio, pode levar o cão à morte. Além da conscientização sobre os cuidados ambientais a serem tomados, a prevenção com a administração de produtos para os cães é essencial”, argumenta. 

Quando a infestação pelo verme do coração não é tão grande, pode ser recomendado tratamento, pelo médico veterinário, para eliminar indivíduos adultos do verme e as microfilárias na corrente sanguínea. Em outros casos, o tratamento é feito com a administração de antibióticos em associação com medicamentos para eliminar as formas adultas e imaturas do parasita. “Após o tratamento, os vermes mortos podem se acumular e obstruir os vasos sanguíneos do pulmão e coração, por isso a remoção cirúrgica também pode ser necessária. Trata-se de uma avaliação que o médico veterinário deverá fazer caso a caso” ressalta.

Deixe uma resposta