Lambedura: como resolver a compulsão?

#AgitoPet

Seu pet lambe as patas o tempo todo a ponto de fazer uma ferida no local? Saiba que esse é um problema enfrentado por muitos tutores. A seguir explicamos o que é a lambedura psicogênica e como cuidar do seu pet.

A lambedura em excesso, geralmente nas patas (mas também em outras regiões do corpo, como o rabo), causa uma lesão de pele no local. A origem dessa lambedura pode ser decorrente de uma dor ou desconforto (como inflamações ou até alterações ósseas) ou coceira que o animal tenha no local (de causa alérgica e infecciosa). No entanto, muitas vezes é devido a distúrbios emocionais (lambedura psicogênica).

De tanto lamber, o local acaba ficando sem pelos, muito vermelho e sensível. O hábito constante de lamber, que alguns cachorros e gatos têm, impede a cicatrização da lesão. Esse “distúrbio” de comportamento pode ocorrer por diversos motivos: ansiedade de separação, tédio, solidão, mudança de rotina, mudança de ambiente, introdução ou perda de algum animal, pouco estímulo, sedentarismo, etc.

Como perceber que o meu pet lambe as patas em excesso?

O hábito de lamber é normal para cães e gatos desde filhotes, quando a mãe os lambe como forma de carinho e até higiene. No entanto, quando o animal começa a repetir esse comportamento em si de maneira repetitiva e sempre que algo o incomoda, pode ser perigoso. Isso porque a lambedura repetitiva pode causar lesões na pele, além de ser um sinal que algo não vai bem com o cão.

Entre os sinais de compulsão por lamber estão: mudança na coloração do pelo na região (uma cor ferrugem) devido à acidez da saliva, queda de pelos, ferida e vermelhidão na região afetada.

O que fazer para ajudar o pet?

Primeiro é fundamental contar com a orientação de um veterinário para dar o diagnóstico correto do caso. Isso porque é o especialista que irá dizer se o pet tem uma dermatite por lambedura ou não. Se tratar-se de um problema de pele, por exemplo, o tratamento deve incluir o uso de antialérgicos, antiinflamatórios ou até antibióticos, além do uso de colares elizabetanos (cone) para impedir o acesso à área até que a lesão comece a cicatrizar.

E quando a lambedura do cão vira uma compulsão?

Se a causa da lambedura do pet é emocional, é preciso entender qual a origem do problema: ansiedade de separação? Tédio? Solidão? Mudança de rotina? Em todos os casos, criar alternativas que ajudem o cão a ficar bem sozinho vai ajudar muito. Neste sentido, os estímulos físicos e mentais são muito importantes.

Veja algumas dicas

Passeio: se precisar deixar o cachorro sozinho por muito tempo, lembre-se de passear com ele antes de sair de casa. Um passeio de cerca de 30 minutos de caminhada fará com que o cão gaste energia na rua e, ao chegar em casa, ficará menos agitado. Saiba que os passeios são importantes e devem ser feitos diariamente, mesmo que o seu pet tenha quintal à disposição.

Rodízio de brinquedos: um dos erros mais comuns é deixar sempre o mesmo brinquedo para o pet ao sair. A novidade sempre é interessante, por isso, faça um rodízio de brinquedos todas as semanas.

Esconda recompensas: esconder petiscos pela casa antes de sair pode ajudar também. O cão ficará concentrado em buscar as recompensas e o tempo passará mais rápido.

Som ambiente: ao sair, deixe a televisão ou o som ligado, em um volume não muito alto, para distrair o pet dos barulhos fora de casa.

Além de melhorar a rotina do pet, com a inclusão de passeios regulares e o enriquecimento do ambiente em que ele vive, é importante o acompanhamento de um veterinário para avaliar a evolução do peludo. Aliado a isso, muitos profissionais recorrem às substâncias que ajudam no controle emocional dos pets, reduzindo a ansiedade, o medo e a agitação excessiva para tratar a ansiedade.

Considerado um calmante natural, o maracujá possui propriedades ansiolíticas (atuando contra irritabilidade e hiperatividade). Também melhora a concentração do pet para o adestramento e a realização de exercícios. Além disso, é fonte de vitaminas A, C e do complexo B.

Entretanto, esta planta e seu fruto não devem ser oferecidos aos cães diretamente, como alimento, mas por meio de suplementos. Muitas pessoas pensam que é a fruta que ajuda a acalmar, é a partir da folha que obtemos os benefícios. Eles auxiliam no tratamento dos sintomas da ansiedade.

Fonte: Botica Pets

Deixe uma resposta