Saiba como o câncer pode afetar os pets

#AgitoPet

Os animais também podem desenvolver a patologia, por isso é fundamental investir na prevenção

Cães e gatos também podem ser afetados pelo câncer. A doença caracteriza-se pela proliferação de células anormais em determinada parte do corpo do animal e todos os órgãos podem ser afetados.

Dentre os tumores mais frequentes estão os das glândulas mamárias, que afetam as fêmeas de ambas as espécies, os de pele, e os relacionados com o sistema hematopoiético, ligados ao sistema imunológico dos pets.

Assim como nos humanos, o câncer é uma doença multifatorial, que pode ter origem hereditária, por alterações do sistema imunológico, por processos inflamatórios crônicos, entre outros. É muito difícil determinar o que leva cada animal a desenvolver a patologia.

Desta forma é importante que os tutores tenham conhecimento sobre a doença, pois isso aumenta as chances da enfermidade ser diagnosticada de forma precoce. Em sinergia com o Outubro Rosa, mês de conscientização sobre o câncer de mama, a médica-veterinária, Fernanda Ambrosino respondeu as dúvidas mais comuns sobre o tema. Confira:

O câncer de mama é mais comum nos animais?

O câncer de mama é um dos tipos mais frequentes, sendo responsável por mais da metade dos diagnósticos nos pets. Nesse caso a doença afeta a mama ou toda a cadeia mamária do animal. Os animais afetados apresentam uma formação tumoral na região que pode ser benigna ou maligna.

As fêmeas podem desenvolver a doença em qualquer idade?

Os tumores de mama têm uma tendência a aparecer em cadelas adultas, entre 4 e 12 anos. Já as gatas podem desenvolver a doença a partir de um ano. No caso dos tumores mamários a castração, antes do primeiro cio, é a melhor forma de prevenção, pois normalmente as fêmeas não castradas são as que têm maior propensão ao desenvolvimento da doença.

Os cães machos também podem desenvolver câncer de mama?

No caso dos machos essa é uma condição considerada rara. Mas, como as mamas dos cães também produzem hormônios, como estrógeno e progesterona, mesmo em menor proporção eles também podem desenvolver a doença. Mas, o câncer de mama é muito mais comum nas fêmeas, sendo que pesquisas indicam que cerca de 45% das fêmeas são atingidas pela doença.

Como se pode identificar possíveis tumores na região mamária dos pets?
Os animais afetados apresentam uma formação tumoral na região que pode ser benigna ou maligna. A doença costuma ser silenciosa e o animal pode demorar muito tempo até manifestar algum sintoma. Um sinal de alerta é a presença de nódulo na região mamária, por isso, caso perceba qualquer alteração no toque da região o tutor deve buscar ajuda profissional.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico do câncer, independentemente do tipo, deve ser feito por um médico-veterinário.  a confirmação da doença só pode ser realizada após exames clínicos e laboratoriais. Por isso, as consultas frequentes com o profissional são imprescindíveis. Ao notar qualquer alteração no comportamento ou no corpo do animal o tutor deve buscar ajuda imediata.

Como é o tratamento?

O tratamento irá depender do tipo de câncer. Podendo ser indicado o uso de medicamentos, quimioterapia e intervenção cirúrgica.

Como prevenir os casos de câncer?

A prevenção é a melhor forma de evitar doenças nos pets, e no caso do câncer não é diferente. Por isso, as avaliações periódicas com um médico-veterinário, mesmo que o animal aparente estar saudável é fundamental.

O especialista poderá identificar proativamente qualquer anomalia durante a consulta ou até mesmo solicitar exames de rotina que podem identificar se o animal possui alguma alteração de saúde. O diagnóstico precoce eleva os índices de sucesso no tratamento, garantindo mais bem-estar e aumentando a qualidade de vida dos animais.

Deixe uma resposta